quarta-feira, 8 de julho de 2009

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Porto Estrela - TP5






Nos dias 03 e 04 de julho estivemos reunidos para mais um encontro do Gestar. No dia 03, em plantão na escola, atendi aos professores com o objetivo de orientá-los sobre o projeto a ser apresentado no final do programa. Relemos as orientações do Guia Geral e discutimos questões práticas. A maioria demonstrou preocupações referentes a sua confecção, já que haverá necessidade de mais leituras, pesquisa de possibilidades - no sentido de propor atividades relacionadas ao contexto dos alunos - , além de pensar em como será o envolvimento de outros membros da comunidade escolar. Outro aspecto levantado foi que, muitos professores têm cargos interinos, logo, não sabem se devem definir como público-alvo as fases em que estão atuando ou não, pois no próximo ano poderão estar em outras fases ou mesmo outras modalidades de ensino. Durante a oficina presencial fizemos uma importante observação: as práticas relatadas revelam aulas mais dialogadas e mais atraentes em razão da introdução de atividades diferenciadas. Em relação aos alunos, alguns professores ainda relatam dificuldades em introduzir propostas diferentes, que apresentem diversas etapas ou que contenham complexidades que exijam maiores desafios intelectuais. Diante desta situação, observou-se ainda que estão ocorrendo reações como: propostas que interagem com materiais e conteúdos de outras áreas, como fez a professora Tânia, trazendo para sua aula o mapa do mundo e do Brasil; proposição de atividades inusitadas para introdução de conteúdos, levando em conta as particularidades da sua turma, como observou a professora Andréia; busca de textos de apoio em outros materiais do Gestar (AAAs) ou fontes diversas de texto, como fez a professora Ana Paula; uso da criatividade para chamar a atenção dos alunos, como fez a professora Lígia com seu mural de quebra-cabeças; propondo resgate de conhecimentos prévios de outras áreas para servir de argumento para o conteúdo tratado no momento, como fez a professora Tânia ao trabalhar o texto expositivo não verbal da cadeia alimentar, retirado do livro de ciências e também a professora Marina ao trabalhar com imagens do meio ambiente.
Como podemos ver os professores continuam motivados e se mostram suscetíveis às sugestões e mudanças, embora encontrem pouco tempo para dedicar-se ao trabalho intelectual, como eles próprios observam.